Portugal (PT)
  • Destaques

    Evento | ISO 39001 - Sistema de Gestão de Segurança Rodoviária

    Durante a tarde do dia 14 de novembro, no Porto, irá decorrer o seminário ISO 39001 - Sistema de Gestão de Segurança Rodoviária com participação da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária.

     

    Inscreva-se

Tagged em
08 Ago. 2019

NP 4469 - Sistema de Gestão da Responsabilidade Social

Foi publicada, a 15 de janeiro de 2019, a segunda versão da norma portuguesa NP 4469 - Sistema de Gestão da Responsabilidade Social, que visa demonstrar o compromisso das organizações com as questões de sustentabilidade.

Esta norma é um contributo para a resposta das organizações à Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável, preparando-as para novos desafios e tendências da economia global, e para a utilização de oportunidades e soluções inovadoras, dando resposta ao aumento da exigência e melhorando, consequentemente, a competitividade. Contribui, ainda, para a melhoraria das relações com as partes interessadas, para o aumento da credibilidade e confiança nas cadeias de valor e presença continuada em mercados exigentes a nível ambiental, social e de governação.

Do processo de revisão resultou a compilação das partes NP 4469-1 e NP 4469-2 num único documento que contém requisitos e linhas de orientação. Além disso, a norma tem como base a estrutura de alto nível da ISO – International Organization for Standardization, permitindo a fácil integração com outros sistemas de gestão implementados, como é o caso da ISO 9001, ISO 14001, ISO 45001, entre outros. O Anexo A da norma descreve a correspondência entre a NP 4469:2019 e as normas NP EN ISO 9001:2015, NP EN ISO 14001:2015 e ISO 45001:2018. O Anexo B lista os aspetos da responsabilidade social a considerar como orientação para implementação da norma, cabendo à organização identificar aqueles que se aplicam à sua realidade e avaliar a respetiva significância, envolvendo nesse processo as suas partes interessadas significativas.

O alinhamento com a estrutura de alto nível resultou numa reorganização dos requisitos da norma. A organização deve analisar o contexto interno e externo, considerando as opções tecnológicas, os recursos operacionais de negócio, as questões sociais e ambientais, entre outros aspetos (4. Contexto da Organização). No que respeita à definição de Valores e Princípios da responsabilidade social, não existem alterações significativas. Contudo, dos princípios de responsabilidade social devem fazer parte a conduta ética no desenvolvimento da atividade, e a transparência na relação com as partes interessadas

Em 4.2 “Compreender as necessidades e as expectativas das partes interessadas”, antigo 3.2 da NP 4469-1, verifica-se uma simplificação do requisito. Na versão atual da norma, não é requisito ter em conta os 5 critérios - vínculo, influência, proximidade, dependência e representação - aquando da identificação das partes interessadas.

Na determinação do âmbito do sistema de gestão (4.3), a organização irá identificar os limites e sua aplicabilidade, devendo incluir, pelo menos, todas as atividades desenvolvidas diretamente pela organização e todos os locais onde as suas atividades sejam desenvolvidas.

No capítulo 5 – Liderança, identificam-se alterações face à versão anterior, nomeadamente nos requisitos para a demonstração, pela Gestão de Topo, da liderança e compromisso em relação ao sistema de gestão (5.1). Na versão atual há um reforço na necessidade de compatibilidade da política e objetivos com a orientação estratégica e com o contexto, e na orientação para os resultados e eficácia do sistema de gestão da responsabilidade social. Verifica-se, ainda, nesta secção, o acréscimo de requisitos aplicáveis à gestão de topo para a demonstração de liderança e compromisso.

Na secção 5.3 Funções, responsabilidades e autoridades organizacionais, correspondente ao ponto “3.6.1.2 Responsabilidade e autoridade” da edição anterior, para além dos requisitos existentes, a Gestão de Topo deve atribuir a responsabilidade e a autoridade para assegurar que a integridade do sistema de gestão da responsabilidade social é mantida quando são planeadas e implementadas mudanças no respetivo sistema. À semelhança de outras normas de sistemas de gestão, também na NP 4469 deixa de ser obrigatório nomear um representante da gestão para este sistema.

A organização deve determinar as ações para abordar riscos e oportunidades, relacionados com os aspetos da responsabilidade social (6.1.2) e as obrigações de conformidade (6.1.3). Na determinação da significância dos aspetos da responsabilidade social (6.1.2), devem ser considerados: pontos de vista das partes interessadas significativas, desenvolvimentos novos ou planeados, atividades ou produtos novos ou modificados, e condições anormais e situações de emergência potenciais.

Na secção 7, Suporte, verifica-se que a nova versão da norma separa os requisitos relativos à competência e sensibilização, tratando-os em subsecções distintas. A NP 4469, na secção 7.5.3 Controlo da Informação, trata, ainda, o tema da gestão dos acessos à documentação, devendo a organização decidir sobre os níveis de autorização para consultar ou alterar a informação documentada.

Finalmente, na definição do programa de auditoria (9.2), a organização deve ter em consideração a importância na responsabilidade social dos processos em questão, dos riscos e oportunidades determinados em termos de responsabilidade social e os resultados de auditorias anteriores.

Assume-se, hoje em dia, que a responsabilidade social é uma forte componente da gestão de risco, tanto ao nível da governação das organizações, como nos riscos associados ao investimento financeiro. Deste modo, a implementação e certificação de um sistema de gestão de responsabilidade social e o reconhecimento de práticas de responsabilidade social, trazem vários benefícios às organizações, dos quais se destacam:

  • Contributo para o desenvolvimento sustentável e facilidade de acesso a novos mercados, pelo aumento da procura de produtos social e ambientalmente responsáveis;
  • Maior credibilidade e reputação no mercado;
  • Maior confiança na cadeia de valor e do consumidor final;
  • Vantagens competitivas e melhor relação com todas as partes interessadas;
  • Atração e retenção de talentos, aumento da produtividade, menor absentismo e redução de custos relacionados com acidentes e doenças;
  • Melhor gestão de recursos naturais, com a respetiva redução de custos associados;
  • Integração com outros sistemas de gestão.

Conheça as mais recentes certificações APCER

Download PDF

Conheça as mais recentes certificações APCER

Download PDF

Newsletter APCER

Receba todas as novidades por email

Fale connosco

Entre em contacto para pedido de informação ou proposta comercial

Este website utiliza cookies para melhorar a sua performance, análise de tráfego e otimizar a experiencia do utilizador. Ao usar este website, concorda com a sua utilização
Mais informação Concordo